quinta-feira, 19 de abril de 2012

nosso puzzle



corte, recorte,
encaixe.
  
num lance bate certo,
noutro bem menos do que isso.

viro, reviro... 
torno a virar.
não é, 
mas soa-me a canção popular.

ora graves, ora agudos
são estes os ângulos
aqui e além obtusos
de tantos instantes fixados
para mais tarde
recordar
com o teu ou o meu olhar.

são milhares
os fragmentos da imagem (im)perfeita
construída
em tempos de duvidoso azulcinza.

olho para um deles,
aqui bem perto de mim,
e logo me ocorre
o sabor daquele escorrido beijo
entre doiradas searas
há tantos anos acontecido.

vejo outro mais além.
devagar arrasto a mão até ele:
são tépidas as águas salgadas
em que, sereno, mergulho
e me fundo
até ao fundo do teu ser.

ali, quase no centro de todas as peças,
num outro retalho,
ficam as pétalas brancas do jasmim.
transportam no ar, ainda,
estas folhas,
o suave e doce aroma
da tua pele
até mim.

na penumbra do final de tarde,
agarro e tacteio
mais uma peça.
num segundo apenas,
desliza-me entre os dedos
o calor do teu corpo
sob aquela manta xadrez 
de pura lã de Cachemira.

corto, 
recorto e encaixo mais uma e outra vez.

passa o tempo devagar.
tão simples de terminar,
este obsessivo puzzle
não pára nunca
para se fixar.

imagem: Magali van de Wiele

John Coltrane - I see your face before me

3 comentários:

  1. para um poema lindo, uma canção igualmente tocante (pelo menos eu espero que goste )

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  3. http://www.youtube.com/watch?v=9Q7Vr3yQYWQ&feature=related

    ResponderEliminar