quinta-feira, 5 de abril de 2012

demasiado tarde


chegas na leveza da manhã
ao som de bachianas flautas transversais
e de cantos dos pássaros matinais.

nunca foi nem nunca será
demasiado tarde.
o tempo é o tempo
e cada tempo é o momento.

passa, corre, voa entre nós
como se nada acontecesse.
o tempo quer lá saber
de mim, de ti, de nós, dos outros,
de quem quer que seja,
do que quer que se passe.

não é tarde.
passeamos incólumes
na rua, na praia, no jardim.
passamos um pelo outro.
olhámo-nos vendo as cores e as sombras
da paisagem,
vivendo o atrito e a transparência
do ar entre nós,
saciando a solidão.


cruzámo-nos e
coraste, sorriste, beijaste
ao de leve meus lábios,
mesmo sem me tocar,
e assim me disseste,
leve sussurro do olhar:

[quero-te.
morde-me.
dá-me.
come-me.
fode-me.]

sou tua.

foi esse o momento
daquele tempo,
foi esse o momento daquele olhar,
daquele esgar, daquele falar.

cumprimos o ritual do amor.
sei lá se e quando aconteceu.
sei apenas
que
todo o tempo
é o melhor momento
para amar.


Imagem: Spoonflower


Pink Floyd: Time
http://www.youtube.com/watch?v=xYxY_P8Vn3k&feature=related

2 comentários:

  1. nossa, voce vai me chamar de chata, mas sempre que leio isto choro. nossa, pareço uma bobona. parabens viu, muito bom mesmo!

    ResponderEliminar